- Convênios  
  - Marque Consulta  
  - Exames  
  - Trabalhe Conosco  
  - Imprensa  
  - Humanização  
  - Ajude o IBCC  
  - Informativos  
  - Transplantes  
 
     
  ESPECIALIDADES MÉDICAS  
 
 
     
 

Hematologia
Saiba mais sobre Hematologia e Hemoterapia

O que é Hematologia e Hemoterapia?
A Hematologia e a Hemoterapia são as especialidades médicas que estudam e tratam as doenças do sangue e de órgãos hematopoéticos, onde se formam as células do sangue.

Quais são os principais cânceres estudados pela Hematologia e Hemoterapia?
A Hematologia e a Hemoterapia tratam dos cânceres sanguíneos e de medula óssea como Leucemia e Linfoma.

Leucemia

O que é Leucemia?
É uma doença maligna dos glóbulos brancos (leucócitos). Tem como principal característica o acúmulo de células jovens anormais na medula óssea. A medula é o local de formação das células sanguíneas e ocupa a cavidade dos ossos. Nela são encontradas as células que dão origem aos glóbulos brancos, aos glóbulos vermelhos (hemácias ou eritrócitos) e às plaquetas.

Quais são os tipos de Leucemia?
Os tipos são Leucemia Linfoide Crônica, Linfoide Aguda, Mieloide Crônica e Mieloide Aguda. As crônicas se desenvolvem devagar e acometem, na maioria das vezes, pessoas acima de 55 anos. As agudas agravam-se rapidamente e é mais comum em crianças e jovens.

Diagnóstico / Prevenção

O que causa a Leucemia?
Ainda não estão definidas as causas da Leucemia, mas alguns fatores podem ajudar no desenvolvimento da doença. São eles: tabagismo, exposição à radiação (Radioterapia e Raio X), doenças hereditárias como a Síndrome de Down, exposição a substância Benzeno (encontrada na fumaça do cigarro e na gasolina), entre outros.

Quais os sintomas da Leucemia?
Os sintomas podem ser forte anemia, sangramentos das gengivas e nariz, manchas roxas na pele ou pontos vermelhos sob a pele. Além de gânglios linfáticos inchados indolores no pescoço e nas axilas, febre ou suores noturnos, perda de peso sem motivo, desconforto abdominal, dores nos ossos e nas articulações.

Como se detecta a Leucemia?
Com exame de sangue (hemograma) e com o exame chamado mielograma (análise das células da medula óssea).

Há como prevenir a Leucemia?
Não há como fazer a prevenção primária da Leucemia, que significa evitar que ela apareça.

A Leucemia tem cura?
Sim, as chances de cura da Leucemia podem chegar a mais de 80% dos casos detectados na fase inicial. Quanto mais cedo ela for diagnosticada, melhores serão os resultados.

Tratamentos

Quais são os tratamentos para Leucemia?
O tratamento é Quimioterápico. Para alguns casos, há a possibilidade de transplante de medula óssea.

Linfoma

O que é Linfoma?
O linfoma é quando uma célula normal do sistema linfático se transforma, cresce sem parar e se dissemina pelo organismo. O sistema linfático é composto por órgãos, vasos, tecidos linfáticos e linfonodos que defendem o organismo de infecções.

Quais são os tipos de Linfoma?
Existem dois tipos de Linfomas, o Hodgkin e o Não-Hodgkin. Ambos se originam nos linfonodos (gânglios) do sistema linfático, que produzem as células responsáveis pela imunidade e vasos que as conduzem pelo corpo. No Linfoma de Hodgkin a incidência é em adultos jovens, entre 25 e 30 anos. No Linfoma de Hodgkin é o tipo mais comum, existem mais de 20 tipos diferentes e é mais incidente em crianças e jovens.

- Linfoma de Hodgkin

Diagnóstico / prevenção

O que causa?
Ainda não estão definidas as causas desse tipo de Linfoma, mas alguns fatores podem ajudar no desenvolvimento da doença, como pessoas com sistema imune comprometido, infecção pelo HIV, uso de drogas imunossupressoras, agrotóxicos e histórico familiar.

Quais os sintomas?
Depende da região afetada. Nos linfonodos superficiais do pescoço, axilas e virilhas, surgem ínguas indolores. Se for no tórax, os sintomas são tosse, falta de ar e dor torácica. Já na pelve e no abdômen, sensação de estômago cheio e distensão abdominal podem indicar alguma alteração. Febre, fadiga, sudorese noturna, perda de peso sem motivo aparente e coceira na pele são sinais de alerta.

Como se detecta?
Com exame de sangue (hemograma), radiografia, biopsia e exame físico realizado pelo médico.

Há como prevenir?
Não há como fazer a prevenção primária do Linfoma de Hodgkin, que significa evitar que ele apareça.

O Linfoma de Hodgkin tem cura?
Sim, a chance de cura é grande para esse Linfoma.

Tratamentos

Quais são os tratamentos?
O tratamento é Quimioterápico e/ou Radioterápico. Para alguns casos, há a possibilidade de transplante de medula óssea.

- Linfoma Não-Hodgkin

Diagnóstico / prevenção

O que causa?
Mesmo ainda não estarem definidas as causas para o Linfoma Não-Hodgkin, alguns fatores podem ajudar no desenvolvimento da doença, como pessoas com deficiência de imunidade, uso de drogas imunossupressoras, exposição à radiação, infecção pelo HIV e exposição a agentes químicos como solventes, pesticidas, fertilizantes, agrotóxicos entre outros.

Quais os sintomas?
Alguns sinais que precisam ser investigados são gânglios aumentados no pescoço, axilas e/ou virilhas, suor noturno, febre, coceira na pele e perda de peso sem motivo aparente.

Como se detecta?
Suspeita ao exame clínico e exames de imagem associados a confirmação pela biopsia.

Há como prevenir?
Não há como fazer a prevenção primária do Linfoma Não-Hodgkin, que significa evitar que ele apareça, mas dieta rica em verduras e frutas parecem ter efeito protetor contra esse tipo de Linfoma.

O Linfoma de Hodgkin tem cura?
Sim, a chance de cura é grande para esse Linfoma.

Tratamentos

Quais são os tratamentos para Leucemia?

O tratamento é Quimioterápico e/ou Radioterápico.

Dúvidas frequentes sobre transplante de medula óssea

O que é transplante de medula óssea?

É um tipo de tratamento proposto para algumas doenças que afetam as células do sangue, como Leucemia e Linfoma. Consiste na substituição de uma medula óssea doente por células normais de medula óssea, com o objetivo de reconstituição de uma nova medula saudável.

Quando é necessário o transplante?

Em alguns tipos de Leucemias (Leucemia Mielóide Aguda, Mieloma Múltiplo, neuplasia de medula e Leucemia Linfóide Aguda) e em Linfomas, o transplante pode ser indicado.

Como é o transplante para o doador?

Antes da doação, o doador faz um rigoroso exame clínico incluindo exames complementares para confirmar o seu bom estado de saúde. Não há exigência quanto à mudança de hábitos de vida, trabalho ou alimentação. A doação é feita em centro cirúrgico, sob anestesia, e tem duração de aproximadamente duas horas. São realizadas múltiplas punções, com agulhas, nos ossos posteriores da bacia e é aspirada a medula. Retira-se um volume de medula do doador de, no máximo, 15%. Esta retirada não causa qualquer comprometimento à saúde.

Como é o transplante para o paciente?

Depois de se submeter a um tratamento que ataca as células doentes e destrói a própria medula, o paciente recebe a medula sadia como se fosse uma transfusão de sangue. Essa nova medula é rica em células chamadas progenitoras que, uma vez na corrente sanguínea, circulam e vão se alojar na medula óssea, onde se desenvolvem.

O que é compatibilidade?

Para que se realize um transplante de medula é necessário que haja uma total compatibilidade entre doador e receptor. Caso contrário, a medula será rejeitada. A análise de compatibilidade é realizada por meio de testes laboratoriais específicos, a partir de amostras de sangue do doador e receptor, chamados de exames de histocompatibilidade.

O que fazer quando não há um doador compatível?

Quando não há um doador aparentado (irmão ou parente próximo), a solução para o transplante de medula é fazer uma busca nos registros de doadores voluntários, tanto no Registro Nacional de Doadores Voluntários no Registro Nacional de Doadores Voluntários de Medula Óssea

O que a população pode fazer para ajudar os pacientes?

Todo mundo pode ajudar. Para isso é preciso ter entre 18 e 55 anos de idade e gozar de boa saúde. Para se cadastrar, o candidato a doador deverá procurar o hemocentro mais próximo de sua casa, onde será agendada uma entrevista para esclarecer dúvidas a respeito das doações e, em seguida, será feita a coleta de uma amostra de sangue (5 ml) para a tipagem de HLA (características genéticas importantes para a seleção de um doador). Os dados do doador são inseridos no cadastro do Redome e sempre que surgir um novo paciente, a compatibilidade será verificada. Uma vez confirmada, o doador será consultado para decidir quanto à doação. O transplante de medula óssea é um procedimento seguro, realizado em ambiente cirúrgico, feito sob anestesia geral, e requer internação de, no mínimo, 24 horas.

Atenção! Fique atento aos sintomas abaixo e, caso apresente um ou mais deles, procure um hematologista:
Sinais de cansaço intenso;
Palidez das mucosas;
Dores ósseas;
Presença de caroços (gânglios) aumentados em qualquer parte do corpo.

 
     
  << Voltar para a tela anterior